A Psicoterapia Fenomenológica Existencial


As pessoas experimentam o mundo de forma diferente e única. Por
mais que procuremos encontrar uma correlação, por menor que seja, que nos
surpreenda com a possibilidade de vivenciarmos algo idêntico ao outro, nos
decepcionamos, pois as percepções continuarão únicas. Esta sensação pode nos
trazer a experiência de que estamos sós, porém, pode também, contribuir em
perceber o universo de possibilidades que o ato de viver nos presenteia.

Assim, não consigo conceber a atitude de se enquadrar alguém em um
modelo teórico que pode fornecer algumas explicações técnicas, mas que não
consegue abarcar a unicidades das experiências.

Para tanto, desenvolvo psicoterapia da fala através da abordagem
fenomenológica existencial, cujos fundamentos contribuem na percepção da
realidade existencial do sujeito e seu histórico, buscando as experiências
singulares deste existir e, junto com o próprio sujeito, compreender a própria
existência e seus significados, permitindo-se à reflexão mais apurada dos
fenômenos que surgem e do universo de escolhas. É fundamental descobrir e criar
possibilidades para que se possa escolher, além de perceber o fenômeno tal como
ele realmente é, permitindo que tenhamos o resgate da coragem e da vontade de
viver, construindo-se a si mesmo nesta jornada.

Fenomenologia existencial é uma forma de se pensar o mundo,
surgida na filosofia. Não se tem somente uma pessoa responsável por tal
pensamento. É um movimento que foi surgindo na Europa, sobretudo após as
grandes guerras, havendo vários pensadores que contribuíram na edificação da
mesma.

Como fenomenologia entende-se o processo de se perceber o fenômeno
tal como ele se apresenta e seus fundamentos. Para tanto existe a predisposição
de se retirar dos fenômenos, todo e qualquer expectativa que o observador possa
ter acerca do mesmo, bem como todas as interpretações, estudos e pré-conceitos
acerca do fenômeno que surge. É possibilitar que o ser surja e mostre-se como
realmente é.

Existencial é a forma de perceber o humano através da sua própria
existência. Temos uma concepção de pensar formulada pelo pensamento
judaico/cristão, onde parte-se do princípio que a essência precede a
existência. Isto é, parte-se do pressuposto que o ser humano e a sua alma sejam
pré-concebidas como surgidas já na sua magnitude, e completa. Acredita-se que a
essência é completa e nata. Assim, a existência é decorrência desta essência e
que a experiência da existência não a complementa ou a constrói.

Na visão existencial, a percepção é de que a essência não é nata e
que o ser humano, o indivíduo, a pessoa, se constrói a partir de sua
existência, de suas escolhas e das consequências do seu existir.

Nesta forma de pensar, o homem é o responsável pelo seu destino,
destino este que ocorre como consequência de escolhas na construção de si
mesmo.

O paradoxo torna-se a identidade do sujeito, sendo a angústia o
sentimento que permeia as escolhas, pois nos tornamos “culpados” ao decidir em
extinguir o que não foi escolhido, e responsáveis pelas consequências. O que
nos torna livres, porém, não somos livres em não escolher sermos livres. Aqui
Sartre diz que “somos condenados à liberdade”.

  1. Maiza Medina de Freitas
    5 de fevereiro de 2011 às 16:32

    Olá!
    Leo Baroni:

    O presente trabalho de explanação da situação da analise no método Fenomenologico Existencial é bastante conceitual e objetivo.
    Identifico em suas palavras uma facilidade de abstração do motivo de se fazer psicoterapia e buscar complementar a condição de conhecer´-se para viver.
    A terapeutica e a análise caminham juntas em um unico processo e pode estar vinculada à outras terapeuticas como a acupuntura,ginasticas ,fisioterapias,terapias da fala,por fonoaudiologia ou foniatria,entre outras formas de tratamento.
    Dar significado a terapeutica psicologica ou explicá-la com o embasamento é a tarefa mais cogitada e questionada.Afinal psicologia Auxilia ,mas soluciona o impasse do paciente Desempregado,Incerto de suas Atitudes,Falta de paciencia em esperar a melhora do filho,a melhora do conjuge,a melhora da vida financeira,a falta de companheirismo e amizades?

    Faço uso do serviço em psicologia,desde 1979.
    Passei por alguns terapeutas,acreditando ser o caminho,mudei algumas vezes de consultorios e linhas de abordagens,estou novamente em terapia ,desde o começo do ano passado.e tomo remedios da clinica psiquiatrica.Estou desempregada e preciso trabalhar ,já não me importa se na area em que me formei,apenas desejo me ocupar e com emprego.Fiz varias ocupações como distração,tratamentos e beneficios da saude.
    Qual linha de psicoterapia me adequar?
    Estou num aspecto de exposição do meu historico familiar,crescimentos por leituras e cursos.
    Chegou um pouco de desenvolvimento por condições de estudos e devido as situações de crescimentos alheios ao meu conhecimento fui chamada a falar como responsavel.isso de forma velada.
    Fiquei muito atingida,pois não sendo a situação do meu controle me puniram como alguem da escola de psicologia,sem nenhuma associação comigo ou de meu assunto comercial,quero dizer fui magoada so por ser Psicologa.

    • 6 de fevereiro de 2011 às 10:05

      Oi Maiza,
      Qualquer abordagem terapêutica é veículo auxiliar às buscas do indivíduo. No caso das psicoterapias, se prestam como instrumento para pensar e reorganizar a vida, o si-mesmo e as tomadas de decisões. Concordo que a vocação dos processos terapêuticos não é ser o veículo na solução do desemprego e dos impasses que a vida insite em nos presentear, mas em ser um instrumento eficaz para que o indivíduo não se perca no emaranhado dos mesmos.
      Noto grande angústia e busca que necessitou empreender em sua vida. Porém, acho que este espaço não seja o forum adequado para refletirmos e expormos suas aflições.
      Convido-a a marcar um contato, sem compromissos, em meu consultório para conversarmos.
      Obrigado.
      Léo

    • 6 de fevereiro de 2011 às 10:09

      Consultório em Moema:
      Av. Moema, 635- Planalto Paulista- SP.
      fone: (11) 3459-8222

      Consultório em São Bernardo do Campo:
      Rua Adriático, 02- Jardim do Mar, SBCampo.
      Fone: (11) 41252513

  2. Diego
    7 de setembro de 2013 às 23:05

    Barone, estou pesquisando sobre o fenomenalismo existencial e vi sua abordagem sobre o assunto muito interesante, porem ja vi algumas pesquisas e não achei tao clara como esta. Mas estou querendo algo concreto em poucas palavras, pois irei apresentar em slid,s para que meus companheiros entendam sem duvida o que se trata este assuto ,por isso mando esta mensagem p ver o que alguem com experiencia na aria lida com este assunto. Agradeço desde ja a atenção.

    • 16 de outubro de 2013 às 13:48

      Oi Diego.
      Aguardo seu agendamento com a minha secretária. Talvez você possa construir sua apresentação depois de conversarmos sobre suas necessidades e dúvidas.
      Fone: (11) 3459-8322.

  3. Michael
    7 de novembro de 2013 às 13:46

    Sou estudante do quarto ano de psi. minha abordagem fenomenologia ; heideggeriano, sobre a fala, interessante!

  4. Rosana
    16 de dezembro de 2013 às 12:38

    Boa tarde Léo Baroni, gostaria de confirmar uma informação, a algum tempo ouvi dizer que é proibido um psicólogo exercer compartilhadamente a função de psicólogo e acupunturista/ psicólogo e massagista. Já houve alteração nessa informação?

    • 16 de dezembro de 2013 às 19:15

      Rosana, boa noite.
      Sim foi solucionado.
      O Projeto de Lei conhecido como Ato Médico, que tramitava desde 2002 no Congresso Nacional, foi sancionado no dia 11/07/2013 pela presidente Dilma Rousseff, com alguns vetos. A medida já foi publicada no Diário Oficial da União e entrou em vigor após período de 60 dias.
      Ficou estabelecido que caberão exclusivamente aos médicos: indicação de internação e alta nos serviços de saúde; execução de intervenção cirúrgica; emissão de laudo de exames endoscópicos e de imagens; perícia; atestação médica de condições de saúde; auditorias médicas; ensino de disciplinas especificamente médicas; coordenação de cursos de graduação em Medicina e aplicação de anestesia geral.
      Entre as atividades que podem ser compartilhadas com outros profissionais da área da saúde estão o atendimento a pessoas sob risco de morte iminente; coleta de material biológico para análises laboratoriais e procedimentos realizados através de orifícios naturais, desde que não comprometam a estrutura celular.
      a direção administrativa de serviços de saúde pode ser exercida por outros profissionais.
      O artigo 4º — considerado um dos trechos mais polêmicos do texto –, que definia como privativo aos médicos a formulação de diagnóstico e a respectiva prescrição terapêutica foi vetado pela presidente. A aprovação desse dispositivo traria restrições ao trabalho de outros profissionais de saúde, como fisioterapeutas, nutricionistas e psicólogos. Assim, caberá à cada profissão diagnosticar através da formação e abordagem de cada especificidade, regulamentados pelos seus Conselhos Federais e Regionais. Atualmente, pacientes com doenças como malária, tuberculose e dengue, por exemplo, podem ser diagnosticadas e iniciar tratamento mediante orientação de profissionais de enfermagem, e depois receber acompanhamento por equipes compostas por médicos.
      No que se refere à indicação de procedimentos invasivos como atribuição exclusivamente de médicos, houve veto no trecho que permitia apenas à classe procedimentos que perfurassem a pele, como injeção, sucção, punção, drenagem, acupuntura e etc. Caso a redação fosse mantida, a aplicação de acupuntura, por exemplo, seria direito exclusivo de médicos, restringindo a atenção à saúde e o funcionamento do SUS. Além disso, haveria impacto na eficiência das campanhas de vacinação, já que enfermeiros não poderiam aplicar a dose. Assim, a acupuntura pode ser exercidas pelas profissões que a regulamentaram a sua atividades em seus Conselhos Federais, tais como psicólogos, fisioterapeutas e enfermeiros.
      Espero que estas informações sejam úteis.
      Obrigado

  5. Kmilla
    18 de fevereiro de 2014 às 21:55

    Olá boa noite achei bem claro esse texto e estou procurando algum artigo sobre o tratamento da depressão infantil com a gestalt terapia, será que você poderia me ajudar?

  6. Geraldo
    9 de abril de 2014 às 06:10

    Preciso que fales sobre a abordagem fenomenologica existencial de uma forma de trabalho

    • 9 de abril de 2014 às 14:50

      Geraldo, boa tarde,
      Caso tenha necessidades de observar a abordagem fenomenológica existencial na atuação clínica, sugiro que leia os livros: “O Paciente Psiquiátrico”, de J H.VAN DEN BERG e
      “Na Noite Passada Eu Sonhei”, de Medard Boss.
      Boas leituras.
      Léo

  7. Sandro da R. Vieira
    23 de junho de 2014 às 20:53

    Olá Léo, que saudade. Que blog encantado, maravilhoso e como sempre fundamentado no conhecimento e na experiência de vida. Parabéns! Quero muito revê-lo. Afinal você será sempre o meu guru.

    • 24 de julho de 2014 às 19:10

      Oi Sandro,
      Feliz por sua visita aos meus blogs. Saudades

  8. Gleiciane
    20 de outubro de 2014 às 21:58

    Oi Léo. Sou estudante do quarto semestre de psicologia, e a abordagem humanista – existencial fenomenológica me causa bastante dúvidas e muita dificuldade de entendê-la. Gostaria de saber se você me sugeria uma livro do qual tivesse uma introdução de fácil compreensão. Agradeço desde já, adorei o blog.

    • 24 de outubro de 2014 às 17:48

      Oi Gleiciane
      Alguns livros para iniciar suas pesquisas estudos:
      “O Paciente Psiquiátrico”, Van Den Berg;
      “Na Noite Passada Eu Sonhei”, Medard Boss;
      “Revista Daseinsanalyse” publicada pela Associação Brasileira de Daseinsanalyse;
      “Eu e Tu”, Martin Buber;
      “A Coragem de Ser”, Paul Tillich;
      todos os livros de Oliver Sacks;
      “A Imaginação”, Jean- Paul Sartre;
      “Ser e Nada”, Jean-Paul Sartre;
      “Ser e Tempo”, Martim Heidegger.

      Boa Leitura

  9. Jeremias Lello
    28 de março de 2015 às 18:46

    Magnifica explanacao, estou a fazer o 5 Ano de Psicologia do Trabalho, tenho a cadeira de psicoterapia, e das teorias classicas de Psicoterapia a fenomenologica foi a que mais cativou-me.

  10. waleska
    12 de agosto de 2015 às 17:00

    Parabéns pelo Blog, um espetáculo a ser saboreado.

    Obrigada

  11. 29 de outubro de 2015 às 12:34

    Gostei bastante do texto. Estou nas fases iniciais da psicologia (em processo de conhecimento das teorias), e vejo a fenomenologia-existencialista como uma abordagem muito interessante. O texto me ajudou muito. Obrigado.

  12. Mauro
    30 de novembro de 2015 às 19:48

    Parabéns Leo.

  13. Davi
    15 de março de 2016 às 04:56

    Olá Sr. Baroni,
    Gostei muito da tua explicação e me interessei pelo seu trabalho. O único porém é que eu moro no exterior. O senhor faz atendimento por computador?
    Grato, Davi

    • 12 de abril de 2016 às 16:22

      Oi Davi.
      sinto muito, os atendimentos são somente presenciais. Léo

  14. Cesar
    21 de junho de 2016 às 22:29

    Olá léo, você tem indicações de cursos de especialização em psicoterapia fenomenológica existencial? De preferência em são paulo ou grande abc.
    Muito obrigado

  1. 17 de outubro de 2013 às 19:46

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: